Carregando...

Quem sou eu

Minha foto
São Miguel dos Campos, Alagoas - Brasil
UMA BIÓLOGA/PSICOPEDAGOGA/EXTENSIONISTA EM GESTÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE PREOCUPADA COM O FUTURO DA HUMANIDADE!

Sejam bem vindos!

Sintam-se a vontade para comentar as postagens e participar das enquetes.
Este Blog estará sempre em construção buscando inovações que venham satisfazê-los. Enviem também, sugestões através do e-mail: cnubia@hotmail.com
Obrigada!

domingo, 26 de fevereiro de 2012

A Desvalorização Profissional é Regida no Âmbito de Pessoas não Visionárias.


Estar entre os muitos que estudam, formam-se, capacitam-se, dedicam-se ao trabalho com afinco, mas, que não têm o devido reconhecimento, não é fácil! 

A palavra desvalorizar, ou seja, depreciar; tirar o valor, por si só, já é totalmente desprovida de humanidade. Isso para pessoas que realmente trabalham e amam o que fazem, é um colapso na auto-estima. Sem falar que esta palavra, caminha junto com a desigualdade capitalista, onde aquele que mais trabalha, é o que menos ganha. 

Nesse meio, surge o tal “espírito de porco”. Geralmente, é aquele indivíduo preguiçoso que aproveita-se do trabalho e preparação de outros, para engrandecer-se com as ideias, sugestões, projetos, como se fossem seus, e com isso, alcança benefícios perante seus superiores e/ou sociedade em geral. É um ser totalmente desprovido de caráter que negligencia os direitos e sentimentos dos outros, para suprir o seu próprio. É capaz de tudo para beneficiar-se! E o pior... Estão em todas as partes dentro da sociedade. 

A falta da sensibilidade e/ou capacidade de um administrador, em detectar os verdadeiros idealizadores das benfeitorias, favorece ainda mais, para a falta de valorização em todos os setores de trabalho, e propicia a multiplicação dos “espíritos de porco” e a perpetuação da desumanização no trabalho. 

Um trabalhador desvalorizado torna-se desmotivado para continuar exercendo a função na qual foi contratado. Perde total interesse e rendimento no trabalho. 

É necessário que haja mudanças na mentalidade da maioria dos contratantes. Pois, um bom administrador deve ser visionário e coerente nas suas contratações, referenciando principalmente a formação do contratado; O salário deve ser justo e conivente a sua formação; O trabalho deve ser acompanhado mais de perto; Os resultados negativos deverão ser avaliados, re-analisados, para serem novamente testados sem que haja qualquer constrangimento ao contratado, afinal, todos estão sujeitos a erros. Já os resultados positivos, devem ser elogiados e apresentados aos demais funcionários como atitude de reconhecimento e valorização. 

Uma administração que contrata profissionais formados e estimula a autonomia dos trabalhos em equipe, paga salários justos e valoriza seus funcionários, com certeza, colherá excelentes resultados no futuro!

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Desabafo de um Professor Injustiçado.

                           
Recebi por e-mail esta carta e achei relevante publicá-la aqui no blog.

Porto Alegre (RS), 16 de julho de 2011.

Caro Juremir (CORREIO DO POVO/POA/RS)

Meu nome é Maurício Girardi. Sou Físico. Pela manhã sou vice-diretor no Colégio Estadual Piratini, em Porto Alegre, onde à noite leciono a disciplina de Física para os três anos do Ensino Médio. Pois bem, olha só o que me aconteceu: estou eu dando aula para uma turma de segundo ano. Era 21/06/11 e, talvez, “pela entrada do inverno”, resolveu também ir á aula uma daquelas “alunas-turista” que aparecem vez por outra para “fazer uma social”. Para rever os conhecidos. Por três vezes tive que pedir licença para a mocinha para poder explicar o conteúdo que abordávamos.

Parece que estão fazendo um favor em nos permitir um espaço de fala. Eis que após insistentes pedidos, estando eu no meio de uma explicação que necessitava de bastante atenção de todos, toca o celular da aluna, interrompendo todo um processo de desenvolvimento de uma idéia e prejudicando o andamento da aula. Mudei o tom do pedido e aconselhei aquela menina que, se objetivo dela não era o de estudar, então que procurasse outro local, que fizesse um curso à distância ou coisa do gênero, pois ali naquela sala estavam pessoas que queriam aprender' e que o Colégio é um local aonde se vai para estudar. Então, a “estudante” quis argumentar, quando falei que não discutiria mais com ela.

Neste momento tocou o sinal e fui para a troca de turma. A menina resolveu ir embora e desceu as escadas chorando por ter sido repreendida na frente de colegas. De casa, sua mãe ligou para a Escola e falou com o vice-diretor da noite, relatando que tinha conhecidos influentes em Porto Alegre e que aquilo não iria ficar assim. Em nenhum momento procurou escutar a minha versão nem mesmo para dizer, se fosse o caso, que minha postura teria sido errada. Tampouco procurou a diretoria da Escola.

Qual passo dado pela mãe? Polícia Civil!... Isso mesmo!... tive que comparecer no dia 13/07/11, na 8.ª (oitava Delegacia de Polícia de Porto Alegre) para prestar esclarecimentos por ter constrangido (“?”) uma adolescente (17 anos), que muito pouco frequenta as aulas e quando o faz é para importunar, atrapalhar seus colegas e professores'. A que ponto que chegamos? Isso é um desabafo!... Tenho 39 anos e resolvi ser professor porque sempre gostei de ensinar, de ver alguém se apropriar do conhecimento e crescer. Mas te confesso, está cada vez mais difícil.

Sinceramente, acho que é mais um professor que o Estado perde. Tenho outras opções no mercado. Em situações como essa, enxergamos a nossa fragilidade frente ao sistema. Como leitor da tua coluna, e sabendo que abordas com frequência temas relacionados à educação, ''te peço, encarecidamente, que dediques umas linhas a respeito da violência que é perpetrada contra os professores neste país''.

Fica cristalina a visão de que, neste país:
  • NÃO PRECISAMOS DE PROFESSORES;
  • NÃO PRECISAMOS DE EDUCAÇÃO;
  • AFINAL, PARA QUE SER UM PAÍS DE 1° MUNDO SE ESTÁ BOM ASSIM.
Alguns exemplos atuais:
  • Ronaldinho Gaúcho: R$ 1.400.000,00 por mês. Homenageado pela “Academia Brasileira de Letras"...
  • Tiririca: R$ 36.000,00 por mês. Membro da “Comissão de Educação e Cultura do Congresso"...
TRADUZINDO: SÓ O SALÁRIO DO PALHAÇO, PAGA 30 PROFESSORES. PARA AQUELES QUE ACHAM QUE EDUCAÇÃO NÃO É IMPORTANTE:CONTRATE O TIRIRICA PARA DAR AULAS PARA SEU FILHO.

Um funcionário da empresa Sadia (nada contra) ganha hoje o mesmo salário de um “ACT” ou um professor iniciante, levando em consideração que, para trabalhar na empresa você precisa ter só o fundamental, ou seja, de que adianta estudar, fazer pós e mestrado? Piso Nacional dos professores: R$ 1.187,00… Moral da história: Os professores ganham pouco, porque “só servem para nos ensinar coisas inúteis” como: ler, escrever, pensar,formar cidadãos produtivos, etc., etc., etc....

SUGESTÃO: Mudar a grade curricular das escolas, que passariam a ter as seguintes matérias:
  • Educação Física: Futebol;
  • Música: Sertaneja, Pagode, Axé;
  • História: Grandes Personagens da Corrupção Brasileira; Biografia dos Heróis do Big Brother; Evolução do Pensamento das "Celebridades"
  • História da Arte: De Carla Perez a Faustão;
  • Matemática: Multiplicação fraudulenta do dinheiro de campanha;
  • Cálculo: Percentual de Comissões e Propinas;
  • Português e Literatura: ?... Para quê?...
  • Biologia, Física e Química: Excluídas por excesso de complexidade.
Está bom assim? ... eu quero mais!...
ESSE É O NOSSO BRASIL ...
Vejam o absurdo dos salários no Rio de Janeiro (o que não é diferente do resto do Brasil)
  • BOPE - R$ 2.260,00.....................para ........ Arriscar a vida;
  • Bombeiro - R$ 960,00...................para ........ Salvar vidas;
  • Professor - R$ 728,00....................para ........ Preparar para a vida;
  • Médico - R$ 1.260,00....................para ........ Manter a vida;
E o Deputado Federal?.....R$ 26.700,00 (fora as mordomias, gratificações, viagens internacionais, etc., etc., etc., para FERRAR com a vida de todo mundo, encher o bolso de dinheiro e ainda gratificar os seus “bajuladores” apaniguados naquela manobrinha conhecida do “por fora vazenildo”!).

IMPORTANTE:
Faça parte dessa “corrente patriótica” um instrumento de conscientização e de sensibilização dos nossos representantes eleitos para as Câmaras Municipais, Assembleias Estaduais e Congresso Nacional e, principalmente, para despertar desse “sono egoísta” as autoridades que governam este nosso maravilhoso país, pois eles estão inertes, confortavelmente sentados em suas “fofas” poltronas, de seus luxuosos gabinetes climatizados, nem aí para esse povo brasileiro. Acorda Brasília, acorda Brasil!...


                                        

sexta-feira, 10 de julho de 2009

A Importância da intervenção Psicopedagógica nas escolas.


Além de atuar em empresas e hospitais, o psicopedagogo atua nas instituições educacionais. Compromete-se a detectar e a resolver problemas com o intuito de melhorar as condições de aprendizagem do aluno com dificuldade. Sabendo que, o sucesso ou o fracasso deste aluno pode está ligado a fatores familiares, pedagógicos, psicológicos, emocionais, entre outros. Este profissional procura investigar a raiz do problema e buscar a melhor forma de saná-lo. Precisa estar atento a tudo! Ser imparcial. Não ser preconceituoso. Ser aberto ao diálogo e ter uma visão além das evidências observadas pela escola e pela família.
Ao detectar o problema, ele pode até, se for preciso, encaminhar para outros profissionais, como: fonoaudiólogos, psicólogos, e etc. Mas, mesmo assim, continuará acompanhando este aluno para concluir sua avaliação e encontrar uma solução que venha satisfazer a todos os envolvidos.
O trabalho deste profissional dentro do âmbito escolar está cada vez mais sendo necessário, devido às muitas dificuldades que atualmente as escolas vêm enfrentando com os casos de indisciplina e violência. Cabe aos nossos governantes, entender esta necessidade e reconhecer sua importância para a solução destes problemas.

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Diplomas Falsos


     A que ponto nós chegamos! Além dos diplomas falsos, os golpistas também criam históricos escolares com notas fictícias. E, o pior é que, entre os falsários há pessoas ligadas à educação, como professores e funcionários de escolas.
      Virou baderna mesmo!
     O tempo de cadeia é pouco para estas criaturas! Imagine você estar sendo tratado(a) por um(a) médico(a) que comprou o diploma. Ou pior, sendo operado(a)! Há na justiça, uma vasta lista de denúncias das negligências ocasionadas por médicos verdadeiramente formados. Não é necessário aumentar esta lista, com as negligências dos falsos médicos!
    Essa bandidagem não se dar conta que, estão colocando em risco pessoas inocentes, vendendo diplomas de medicina? Que até, podem estar colocando em perigo um filho ou filha deles mesmos? Tudo isso por causa da ganância em ganhar dinheiro fácil!
     O que poderíamos fazer para acabar com estes golpes?
     O ideal seria: “Criar uma espécie de departamento estadual de registros, composto por pessoas idôneas. Nestes departamentos, estariam registradas, cópias originais de documentos como: diplomas, certificados, históricos... Previamente enviados por todas as instituições educacionais daquele estado à medida que o indivíduo concluísse seus estudos. Assim, os empregadores poderiam realizar suas consultas, pessoalmente ou através da Internet, caso sua empresa, não esteja situada naquele estado. Na consulta via Internet, o empregador enviaria por e-mail um scaner do documento entregue a ele pelo possível empregado, pelo qual, como em cartório, seria impressa e feita uma comparação com o documento original no arquivo do departamento. Sendo verídico, a impressão do documento receberia um carimbo de autenticidade e seria scaneada e reenviada, novamente por e-mail, a empresa que o solicitou”.
    “Uma outra coisa que poderia se feita em conjunto com a criação dos departamentos estaduais, seria uma maior vigilância às pessoas que lidam com esses tipos de documentações nas instituições educacionais, para que a fraude não tenha início lá”.
    Medidas assim tomadas podem desbancar essas quadrilhas de fraudadores. E de certa forma, evitar danos à população!

domingo, 28 de junho de 2009

Saber Separar o Trigo do Joio

Você sabe fazer tal separação?

No decorrer das nossas vidas, sem perceber, somos testados a cada momento a fazer tal segregação. Quando separamos o bom do ruim. Quando escolhemos alguém para ser nosso amigo. Quando catamos o feijão e o arroz que irão nos alimentar. Quando retiramos o fruto estragado do meio dos frutos bons. Estamos segregando! Então, por que é tão difícil escolhermos sabiamente os nossos governantes? Será porque a maioria deles teem dupla personalidade? Fingem ser, o quê realmente não são? Nos levam na conversa?

Temos que ser mais astutos! Observando e investigando o passado e o presente dos mesmos, nos informando de suas pretensões, lendo suas propostas, testando sua confiabilidade. Tudo isso antes de os elegermos como nossos representantes.

O triste é saber que nada disso é feito pela maioria do nosso povo! Elegem o mais bonito. Barganham seus votos. E ainda querem ter direito de reclamar quando o país, ou estado, ou município não estão correspondendo as suas expectativas. Então, eu pergunto: De quem é a culpa?

Felizmente, há no meio desse joio todo, o “trigo”! Que precisa ser cultivado para florescer. É preciso apoiá-lo. Dar-lhe seu crédito de confiança. Pois, não é fácil ser o trigo no meio de tanto joio. Ideias, vontades, desejos de cumprir com seu dever, existe. Porém, estão sendo sufocados. Até mesmo, ameaçados! Não é fácil se destacar em meio ao joio! O joio é uma erva daninha que se espalha rapidamente! E se não forem, os agricultores que têm a capacidade de combater essas ervas... O quê seria do trigo? Os agricultores a quem refiro-me, é uma pequena parte do povo que acredita na força deste trigo.

Há no meio do joio um “trigo”, que eu particularmente, admiro por sua infinita luta, nas causas da Educação. Sua defesa chega a ser repetitiva e incômoda a muitos joios que o cerca. Joios estes, que acreditam, que um país ideal, é um país ignorante! Com pessoas semianalfabetas do seu próprio conhecimento através da sua ignorância e comodismo. Estas, com certeza, não lhes trarão, nenhum problema!

Este trigo, que admiro, tem incomodado muito o joio do senado! (Risos)

A última dele foi ter, sugerido aos seus “colegas” senadores, que fosse aprovada uma emenda que obrigasse a todo político, matricular seus filhos em escolas públicas.

Será que essa emenda terá aprovação no meio de tatos joios?



quarta-feira, 24 de junho de 2009

Ser professor em época de crise na educação é um ato de heroísmo.


Diante da crise na educação que enfrentamos nos dias de hoje, e da falta de interesse da maioria dos nossos governantes por melhorá-la, ser professor é no mínimo, um ato de heroísmo. Contudo, nesse sistema quase falido, somos apontados como: “Aquele que não ensina, enrola”. Alguns podem até enrolar! Mas, existem aqueles que realmente amam o que fazem! Não é propaganda do Faustão, contudo, temos que nos virar nos 30 para alcançar o objetivo da aula, pois, infinitas são às vezes, que usamos da nossa criatividade para suprir as necessidades dos nossos alunos, devido à falta de recursos nas escolas públicas. Perdi as contas, das vezes em que comprei tinta para recarregar o meu pincel para utilizar o quadro branco. Material para tirar xérox sempre foi um tormento. Livro didático era o bicho. Se você, como professor, quisesse inovar algo, os alunos até mostravam algum interesse. Já, àqueles colegas acostumados ao comodismo, resmungavam. O lema atual é: “Se correr o bicho pega... Se ficar o bicho come!” O pior é passar noites em claro preparando aquela aula, e quando chegar em sala, na manhã seguinte, se deparar com alunos desanimados. O que fazer para minimizar estes problemas? E normal encontra professores desmotivados pela falta de reconhecimento, capacitação e salários baixos. Alunos desinteressados. Escolas públicas sem recursos. Gestores despreocupados.
Para começar, deveria haver a troca desses gestores por outros que tivessem sede de mudanças! Que estes levassem aos professores, cursos de capacitação, de autoestima e melhorassem os seus salários. Afinal, um indivíduo que preparar-se para qualquer profissão, tem que passar por vários professores. Então, é justo haver o reconhecimento desta profissão tão sofrida o mais breve possível! Investir nas escolas não é só uma obrigação, mas, um dever de governantes conscientes. Pois, verbas são enviadas para os estados e municípios. Deveriam implantar nas escolas recursos audiovisuais; informática; salas iluminadas, climatizadas a prova de ruídos externos e com caixas de som acopladas para uso de microfones auriculares ou de lapela, assim, minimizaria os distúrbios na voz que acometem a saúde de muitos professores. Outro bom recurso seria, a implantação de um SOE (Serviço de Orientação Educacional) em cada escola pública, administrado por um ou dois profissionais na área da Psicopedagogia, onde este, juntamente com todos que fazem a escola: funcionários em geral, alunos e familiares buscariam formas de melhoria para sua instituição, encontrando soluções possíveis para problemas no âmbito escolar.
É claro que, professores sendo reconhecidos, capacitados e remunerados de forma justa, com certeza, terão ânimo e maior desempenho nas suas atribuições. As escolas, também devem apoiá-los e não coibi-los de realizar seus projetos educacionais. Desta forma, haverá a união do útil ao agradável. E, todos sairão ganhando!
Imaginem a escola do futuro... “Bem estruturada com todos os recursos necessários; espaço físico apropriado; profissionais capacitados, reconhecidos e bem remunerados; alunos interessados e acompanhados por um SOE que atenda, não só, suas necessidades, mas, o bem comum da escola”. Seria um sonho maravilhoso, não muito longe da realidade, podem crer! É só mudar os comodistas que se alimentam do colapso da educação.

Educação em Crise. De quem é a culpa?


Apontar culpados é fácil! O difícil é reconhecer que também temos culpa.
Do que adianta só reclamar, se continuamos de braços cruzados? Cada um, não só pode, mas deve se mobilizar e fazer a sua parte! Exigimos os nossos direitos, no entanto, deixamos muitas vezes de cumprir com os nossos deveres. Que cidadão é este, que cobra da escola a “Educação” dos filhos?
A escola tem o dever de “Ensinar”! “Educar” é obrigação exclusivamente dos pais! Que exemplo podemos dar aos nossos filhos quando mandamos que façam algo de uma forma, e nós, seus pais, fazemos o oposto?
Como dizem os mais velhos em sua sabedoria: "Educação vem de berço!" E não, a frase usada por muitos, para justificar seus erros: "Faça o que eu digo, mas não faça, o quê eu faço!" Será que esses pais, ainda não se deram conta, que são “espelhos” para seus filhos? Adianta ensinar para os filhos que não devem jogar papel no chão, se eles próprios ao desembalar um bombom, joga a embalagem pela janela do carro? Um outro exemplo seria: Se você está em um transporte público, acompanhado do seu filho adolescente, ambos sentados, e entra na condução uma senhora idosa, o quê você faz? Finge não vê-la para não ter que sair do seu comodismo? Ou cede o lugar?
Se você educou bem seu filho, com certeza, partirá dele a atitude de ceder o lugar. Porque ele aprendeu com você que, os mais velhos devem ser tratados com cuidado e respeito, e já deve ter visto, muitas de suas ações a respeito disso. Atitudes positivas diante dos filhos contribuirão muito para sua formação educacional, já que a tendência é a imitação das boas ações. Este, com certeza, será um ponto positivo de sua colaboração para o currículo da vida deles!
Aos pais, aconselho participarem mais da vida de seus filhos! Conversem com eles e peçam suas opiniões. Deem a eles, aquele crédito de confiança que vocês gostariam de ter recebido de seu pais. Conquistem sua amizade. Mas, saibam dizer "Não", quando necessário! Esta, também é uma forma de amar e pode até livrá-los de apuros! Devemos impor limites, mas sem constrangê-los! É com diálogo que conseguiremos encontrar uma boa saída para ambas às partes. Façam com que eles sintam-se à vontade para fazer-lhes perguntas. Mas, se você não souber responder ou ficar constrangido, quando o assunto for, por exemplo: “sexo”, peça auxílio a uma pessoa próxima a vocês que domine o assunto. Tudo tem que ser explicado de forma simples, direta e verídica. Ainda, mas, se seus filhos forem adolescentes!
Como professora de biologia e psicopedagoga, pude perceber em sala de aula, como muitos jovens são desinformados neste tipo de assunto, e são muito carentes de afeto e atenção. E, que, essa agressividade que muitas vezes afloram através de suas palavras e atitudes, são para encobrir essas carências. Eles não gostam de serem expostos! Querem a todo custo mostrar que são fortes e que não precisam de ninguém.
Faço aqui, um apelo aos meus colegas professores, que estejam sempre atentos aos seus alunos em sala de aula. Principalmente aos indisciplinados! Antes de lhes aplicar punições, ouça-os! A indisciplina é uma forma de chamar a atenção, principalmente dos pais, que muitas vezes, são omissos por acharem que a escola tem a obrigação de educar. Ou porque, são realmente leigos na situação e não sabem como agir. De qualquer forma, peço que tenham paciência e procurem ajuda de um especialista o mais breve possível.
Ao detectar problemas comportamentais em alguns dos meus alunos, passei a abordá-los para conversar. Senti que, com essa minha atitude, os aproximei mais de mim e adquiri deles confiança e um comportamento melhor não só na escola, mas, em casa também. Pois, fui procurada por alguns pais pessoalmente, e também, através do meu Orkut e MSN para conversar sobre os mesmos. É bom saber que, com as palavras certas, podemos chegar ao coração desses jovens e ajudá-los a valorizarem-se e a buscarem o melhor caminho para suas vidas.
Quando encontramos um ex-aluno na rua, e ele nos aborda dizendo: “_O que sei e sou hoje devo também a senhora professora, através de seus ensinamentos e incentivos. Obrigado!” É muito gratificante ter esse reconhecimento numa época em que ensinar tornou-se um grande desafio.